osasco-img

Em poucos anos, Osasco passou da vigésima quinta à nona economia do país, representando o segundo maior PIB do Estado de São Paulo. Durante o ano de 2015, com as Câmaras Técnicas de Segurança Pública e Meio Ambiente do CIOESTE, houve uma aproximação com o Ministério das Cidades, que, no final do ano passado, promoveu uma reunião com os prefeitos que fazem parte do Consórcio para avaliar as parcerias existentes e firmar novos investimentos nas áreas de habitação, saneamento ambiental, mobilidade urbana e infraestrutura.

Com a maior proximidade do Ministério das Cidades e a força política do CIOESTE, foi possível acelerar os recursos do PAC destinados ao projeto do córrego da Baronesa, em Osasco, que entre os objetivos tem como meta combater as enchentes. O projeto integra a Urbanização Integrada do Jardim Rochdale e tem como propósito canalizar 2,5 km de extensão dos córregos Baronesa e Rico. Em paralelo à canalização será construído um coletor tronco para coleta e afastamento dos esgotos, a serem direcionados à Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) da Sabesp, em Barueri.

Visite o Portal da Prefeitura de Osasco.

osasco-img2Novo terminal de ônibus   

O novo Terminal Rodoviário do Km 21, situado no limite de Osasco e Carapicuíba, atualmente em fase de construção, faz parte do pacote de obras do Corredor Oeste, um sistema viário que ligará a cidade de Itapevi a São Paulo, no bairro do Butantã, passando por Jandira, Barueri, Carapicuíba e Osasco.  O terminal aliviará o fluxo de passageiros no centro de Osasco, porque articulará as linhas da zona Sul da cidade, onde há maior concentração populacional.

osasco-img3Corredor oeste

Outro exemplo da relevância do consórcio foi a manutenção das obras do Corredor Metropolitano Oeste que passará pelos municípios de Itapevi, Jandira, Barueri, Carapicuíba, Osasco e São Paulo, ligando o futuro Terminal Itapevi, próximo à estação da CPTM, ao Terminal Vila Yara, na divisa entre Osasco e São Paulo.  O novo sistema, com 23,6 quilômetros de extensão, promoverá maior mobilidade à população em razão de sua integração com a rede metroferroviária. As construções previstas são os terminais Itapevi, Carapicuíba, Km 21 e Vila Yara, estes dois últimos em Osasco, além das estações de transferência, estações de embarque e desembarque e outras intervenções urbanas. O trecho relavo a Osasco compreende 7,6 km.